Ano de desafios e conquistas

Em 12 de março, a categoria aprovou, em Assembleia Geral Ordinária, a pauta da Campanha Salarial 2020. Apenas cinco dias depois, a Alepe orientaria os servidores a trabalharem remotamente e, dentro de dois meses, o Governo de Pernambuco adotaria medidas ainda mais restritas de circulação para conter a curva ascendente de mortes causadas pelo novo coronavírus.

Rapidamente, o Sindilegis-PE precisou se readequar à nova situação. Passou a realizar suas atividades virtualmente e defendeu, junto à Mesa Diretora, a permanência dos servidores e servidoras do Poder Legislativo em atuação remota até 2021 – ou além, enquanto não houver condições seguras para o retorno aos trabalhos presenciais.

Mesmo diante da sanção da Lei Complementar Federal n° 173, em 27 de maio de 2020, congelando os salários dos servidores públicos até 31 de dezembro de 2021, o sindicato não desanimou. Buscou outras conquistas importantes para a categoria, ainda viáveis no cenário político e orçamentário que se estabeleceu.

Graças aos frequentes contatos com integrantes da Mesa Diretora da Casa, foi possível assegurar a progressão dos servidores que ainda não estão no último nível da carreira, com pagamento de retroativo em novembro. O pagamento das  licenças prêmio aos servidores aposentados que adquiriram esse direito até 1999 também foi garantido a partir da atuação do sindicato.

Outras duas conquistas importantes para a organização do trabalho foram mantidas por iniciativa do Sindilegis-PE: a publicação antecipada do calendário de feriados e pontos facultativos de 2021 e das datas do próximo recesso administrativo.

Foram realizadas reuniões virtuais, telefonemas e trocas de mensagem frequentes a fim de manter a articulação em prol da categoria. De um desses encontros online, participaram o presidente da Alepe, deputado Eriberto Medeiros (PP), o primeiro-secretário, deputado Clodoaldo Magalhães (PSB), e a terceira-secretária, deputada Teresa Leitão (PT).

Para o presidente do Sindilegis-PE, Marconi Glauco, as mudanças em decorrência da pandemia dificultaram as negociações. “Tivemos que fazer toda uma adaptação do processo e analisar o que poderia ser feito, já que a questão salarial foi bloqueada pela Lei 173”, comentou. Apesar dos contratempos, ele salienta o “saldo positivo em 2020”. “A diretoria já estuda alternativas para manter o poder de compra dos servidores em 2021”, assegurou.