Dois dias de intensos debates marcam Seminário de Planejamento Estratégico do Sindilegis PE

Evento teve início na quinta (4) e terminou sexta (5) no Hotel 7 Colinas, em Olinda.

Dois dias de muitos debates, análises de conjuntura e proposições em defesa da categoria. Assim foi o Seminário de Planejamento Estratégico realizado pelo Sindilegis PE, em Olinda, com a presença da diretoria, do conselho fiscal e dos representantes de base.

Na manhã de quinta, reservada para formação política e análises socioeconômicas do Brasil e do mundo, as primeiras apresentações foram feitas pela supervisora técnica do Dieese, Jaqueline Natal, e pelo presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT-PE), Paulo Rocha.

Jaqueline analisou números que contextualizam a economia mundial, trazendo o comparativo do PIB de países como EUA, Brasil, Argentina, China e Rússia. Também abordou o desmonte social promovido pelos governos Temer e Bolsonaro, de 2016 até os dias atuais, com a aprovação da PEC do Teto dos Gastos, a Lei da Terceirização, a Reforma Trabalhista e a Reforma da Previdência. Todas elas foram medidas que agravaram o empobrecimento do País, resultando na precarização do trabalho e alta do desemprego.

Em sua fala, Paulo Rocha enfatizou aspectos mais políticos, como a importância do engajamento dos sindicatos e movimentos sociais pela reconquista dos direitos trabalhistas. Ele ainda comentou o papel histórico dos militares na política brasileira e expôs o tema da fome e da insegurança alimentar.

Ao final da manhã de ontem, o analista legislativo Guilherme Stor fez uma apresentação sobre a divisão dos percentuais de despesa com pessoal no Poder Legislativo de Pernambuco e suas distorções históricas.

Os representantes da categoria também tiveram espaço para falar de condições precárias de trabalho na Alepe, assédio moral, pedir melhorias no funcionamento da Escola do Legislativo para qualificação dos servidores, entre outros assuntos.

No segundo momento do seminário, à tarde, teve início a construção coletiva do documento do Plano de Gestão do Sindilegis para o triênio 2022-2024. Por meio de eixos temáticos, os participantes se dividiram em dois grupos para pensar ações estratégicas que foram encaminhadas na última sexta (5).

Saldo organizativo do Seminário

O segundo dia do seminário teve como objetivo apresentar o que foi discutido pelos dois grupos de trabalho e os encaminhamentos das questões levantadas pelas equipes.

As propostas foram organizadas em sete eixos temáticos: Formação sindical, Poder Legislativo, Lutas gerais da CUT e da Fenaleg, Lutas específicas da categoria, comunicação sindical, administração sindical e ações sociais sindicais.

Os dois grupos definiram os seguintes pontos que nortearão o Plano de Gestão: congresso dos servidores da Alepe; projeto de reformulação da Escola do Legislativo; promoção de debates periódicos de formação política da categoria; luta pela alteração do percentual da despesa de pessoal da Alepe na Receita Corrente Líquida (RCL); realização periódica de concurso público; luta por seleção pública de estagiários; ações de aproximação do sindicato com a base; participação ativa nas atividades convocadas pelas entidades trabalhistas; realização de campanhas de comunicação nas redes sociais; ocupação de 50% dos cargos de superintendente e 100% dos cargos de chefia pelos servidores efetivos da Alepe.

Também apontou-se a necessidade de articulação para que o sindicato participe efetivamente das decisões estratégicas sobre a organização da estrutura física da Alepe e seus anexos e a melhoria do sistema de segurança da Casa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *