Solidariedade em tempos de pandemia

O isolamento social decorrente da pandemia de Covid-19 atingiu diversas famílias pernambucanas, que perderam renda e acesso a serviços e recursos básicos. A solidariedade surgiu como resposta a essa situação, com a participação do Sindilegis-PE, representando toda a categoria, em algumas dessas campanhas.

Inicialmente, o sindicato apoiou financeiramente a campanha do Projeto Mãos Solidárias, da Igreja Católica junto com o Movimento de Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), que fornece marmitas para pessoas em situação de rua no Centro do Recife. Também divulgou, nas redes sociais, os contatos dos agricultores familiares que participavam das feirinhas promovidas em frente à Alepe, bem como de dicas para apoiar outros trabalhadores nesses tempos difíceis.

Em outubro, o Sindilegis-PE uniu-se aos sindicatos dos servidores estaduais do Ministério Público (Sindsemppe), Tribunal de Contas (Sindicontas) e de Justiça (Sindjud-PE) para promover a doação de quase uma tonelada de alimentos para cerca de 3 mil indígenas da etnia Fulni-ô, em Águas Belas. Além de uma ajuda direta em dinheiro, foi criada uma vaquinha online para ações de enfretamento ao novo coronavírus, realizadas pela Associação Taidjôah.

A pauta chegou ao sindicato por meio do servidor André Zahar. Segundo ele, o apoio do Sindilegis-pe foi fundamental. “Sinto uma grande honra em ter contribuído para ativar essa rede, que tomou a frente da campanha e contribuiu decisivamente para apoiar, neste momento tão difícil, uma população severamente atingida pelo novo coronavírus”, afirmou.

“Mais do que isso: o sindicato ajudou a garantir os direitos e a preservação da cultura de um povo que há milênios habita este nosso continente e com o qual temos muito ainda para aprender se quisermos viver num país com mais justiça, diversidade e equilíbrio com o meio ambiente’’, complementou Zahar.

Para o presidente do sindicato, Marconi Glauco, esse tipo de ação se alinha à ideologia da organização. “O Sindilegis-PE tem, entre as prerrogativas, a de ser uma entidade solidária. A pandemia atingiu milhares de brasileiros, muitos deles, desempregados. Tentamos nos engajar, junto a três sindicatos parceiros, para atenuar um pouco o sofrimento dessas pessoas.”

Ações remotas para manter a base conectada

Em razão da pandemia provocada pelo novo coronavírus (Covid-19), o Sindilegis-PE suspendeu, no dia 17 de março, as atividades presenciais, seguindo as orientações das autoridades sanitárias. Mas o trabalho continua, com ações sindicais e atendimento administrativo ocorrendo de forma remota. Além disso, ao longo de 2020, o sindicato apostou em eventos virtuais para manter a integração com a base.

Reuniões quinzenais de diretoria, contatos frequentes com a Mesa Diretora e encontros com servidores foram realizados de forma online. Telefone e e-mail também são usados com frequência, assim como uma novidade implantada neste ano: a lista de transmissão pelo WhatsApp.

Para o presidente Marconi Glauco, a experiência demonstra o empenho da organização em dar prosseguimento às pautas da categoria. “A experiência dos encontros virtuais, no início, se mostrou bastante dificultosa, até pela falta de costume. Apesar disso, conseguimos manter um contato constante com a Mesa Diretora, por meio de articulações, encaminhar as demandas”, afirmou.

O sindicato também apostou em formas inovadoras de celebrar datas queridas da categoria, como o Dia do Servidor e da Servidora (ver reportagem acima), o São João e as comemorações de fim de ano. Para o tesoureiro-geral do Sindilegis-PE, Josias Ramos, esses eventos motivam e estimulam a participação de mais servidores e servidoras. “É necessário neste momento que estamos vivendo, até mesmo pela impossibilidade de se reunir presencialmente. Congratulações, mesmo virtuais, fortalecem nossos laços, nossa integração e a unidade sindical que viemos construindo nesses anos todos’’, pontuou.